quarta-feira, 28 de junho de 2017

Os livros que li e/ou comprei no primeiro semestre de 2017

Desde que me conheço, que tenho paixão por livros (sim, eu preferia livros a brinquedos!). Alguns trouxeram-me ensinamentos que não só têm melhorado a minha vida, como me têm ajudado a crescer interiormente. Outros, simplesmente me proporcionam momentos de puro prazer. 

De vez em quando apresento um livro no blog, algo sobre os temas que falo aqui. Mas os meus interesses são mais abrangentes. Por isso, e em jeito de book haul, vou falar-te dos livros que de algum modo, fizeram parte da minha vida no 1.º semestre de 2017.

Alguns têm que ver com Psicologia Positiva, destralhe, parentalidade, etc. Outros nem por isso. Ainda assim, podes ter interesse em conhecê-los.

Na área da Psicologia:


Tropeçar na Felicidade de Daniel Gilbert (psicólogo da Universidade de Harvard) - Encontrei este best-seller da Psicologia Positiva, por acaso, na semana passada. Tem estado esgotado e era o único exemplar da livraria. O autor fala das projecções, tantas vezes erradas, que o nosso cérebro faz acerca do que nos fará felizes, bem como de como tropeçamos na felicidade quando menos esperamos.

Fluir de Mihaly Csikszentmihalyi (psicólogo da Universidade de Claremont) - Este livro fala das «actividades de fluxo», ou seja, daquelas experiências que nos dão prazer, não as sentimos como obrigação e ficamos de tal forma absorvidos por elas que até nos esquecemos do tempo a passar. São actividades que contribuem para sermos mais felizes e com base nisso, o autor dá-nos dicas para melhorarmos a qualidade de vida a vários níveis (através do corpo, do pensamento, do trabalho, da solidão e da companhia, transformando a tragédia, lidando com o stress...).

A Fórmula da Felicidade de Bridget Grenville-Cleave e Ilona Boniwell  (ambas psicólogas positivas) - As autoras apresentam 100 factores que influenciam a nossa felicidade, tanto pela positiva como pela negativa. Cada um destes factores baseia-se em estudos científicos que vão sendo explicados ao longo do livro. Um livro sintético, que considero bom para quem se está a iniciar no tema.

O Livro do Hygge - O Segredo Dinamarquês para Ser Feliz de Meik Wiking (presidente do The Happiness Research Institute de Copenhaga) - O primeiro livro que li este ano (falei mais detalhadamente dele aqui). Nele é explicada a razão pela qual a Dinamarca tem alcançado o 1.º lugar (por diversas vezes) na lista dos países mais felizes do mundo. Tudo se resumo a uma filosofia de vida baseada no Hygge - uma forma de trazer sensações de aconchego e felicidade ao dia-a-dia, através do apreciar das coisas simples. O objectivo do livro é explicar-nos como fazê-lo.

✓ Hygge - Ser Feliz à Dinamarquesa de Anna Skyggebjerg (mestre em Literatura, com funções no Conselho de Ética Dinamarquês) - Gostei tanto do livro anterior, que acabei por comprar este, sobre o mesmo tema (falei dele, com mais detalhe, aqui). Este sugere-nos diversas actividades e a forma como devemos realizá-las para nos proporcionar o hygge.



✓ Porque Sofrem as Pessoas Inteligentes de Eric Maisel (psicoterapeuta) - Este ainda não li, mas estou curiosa. Nele, o autor aborda os desafios que as pessoas inteligentes têm de enfrentar e as consequências por vezes devastadoras desses desafios. Oferece de seguida estratégias para os enfrentar e conseguir uma vida mais calma, com mais sentido.

✓ Silêncio - O Poder dos Introvertidos num Mundo que Não Para de Falar de Susan Cain (estudiosa da introversão e timidez) - Pessoalmente, apesar de disfarçar bem, sinto que sou introvertida, daí a minha curiosidade acerca deste livro. A autora fala da importância da introversão, dos seus aspectos positivos e de soluções para alguns problemas que os introvertidos têm de enfrentar. Dá a conhecer a história de introvertidos célebres. Conclui ainda que ambas as personalidades fazem falta à humanidade e que jamais a introversão deve de ser subestimada.

Nas áreas do minimalismo, organização e ecologia:



Destralhe a Sua Casa de Paula Margarido (arquitecta e especialista em Feng Shui) - Estou a adorar este livro, pelo que quando acabá-lo (está quase) vou fazer um resumo no blog. Ensina-nos estratégias para destralhar eficazmente, organizar e manter a casa limpa. Com base no feng shui, refere como as áreas da casa influenciam a nossa vida e o método de destralhe/organização ideal, tendo em conta a nossa personalidade. Ao nível da limpeza, sugere sempre soluções ecológicas, dando receitas de produtos caseiros para diferentes tipos de limpezas. Muito bom!

Menos é Mais de Francine Jay (blogger e autora de vários livros sobre minimalismo) - A primeira parte fala dos benefícios de ter menos coisas (pessoalmente, como não sou iniciante neste assunto, já sei de cor estes benefícios, pelo que achei um pouco entediante. Mas para quem está a começar, é fundamental). Do resto do livro, gostei bastante. Apresenta técnicas para destralhar e organizar de forma eficaz, as várias áreas da casa. Dá também dicas para envolver toda a família no estilo de vida minimalista.

Eco Inteligência de Daniel Goleman (psicólogo, autor do best-seller "Inteligência Emocional)" - Este também ainda não li, mas pelo sumário, Goleman, fala dos impactos ocultos daquilo que consumimos, pois até na produção de alguns produtos ecológicos há riscos para a saúde de quem os produz. A ideia é tomarmos cada vez decisões mais inteligentes, ao conhecermos os factos ecológicos por detrás dos produtos que consumimos.

Na área da educação/parentalidade:


1333 Perguntas para Fazer ao Seu Pediatra de Mário Cordeiro (pediatra) - Fiquei fã do autor, quando li "O Grande Livro dos Medos e das Birras", pois quase sentimos que estamos no consultório de um pediatra amigo, que nos auxilia a sermos melhores pais. Este livro «gigante» de 671 páginas é um livro de perguntas e respostas, para as mais variadas questões (alimentação, sono,  crescimento, higiene, desenvolvimento, educação, escola, brincadeira, sexualidade, acidentes e saúde). Abrange as crianças desde que são bebés até à adolescência.

 Educar com Amor, também de Mário Cordeiro - Este livro é uma espécie de guia para que os nossos filhos cresçam felizes. Ajuda-nos a ensinar os nossos filhos a lidarem com os seus sentimentos, a enfrentarem problemas do dia-a-dia, a serem alegres. Também fala de qualidades que devemos ensinar-lhes (empatia, honestidade, responsabilidade...), das birras, dos comportamentos menos bons, dos limites, da espiritualidade e da importância do exemplo dos pais. Muito bom!

1-2-3 Magia - O Método de Disciplina mais Eficaz para Crianças dos 2 aos 12 anos de Thomas W. Phelan (psicólogo especializado em disciplina infantil e em crianças com défice de atenção) - Este ainda não li, mas fala do «Programa 1-2-3 Magia», que ajuda os pais a estabelecerem limites. O 1.º passo refere-se ao controle dos comportamentos inaceitáveis, o 2.º ao estímulo dos bons comportamentos e o 3.º ensina técnicas para fortalecer relações entre pais e filhos.

Educar na Curiosidade de Catherine L'Ecuyer (Mestre em Investigação, dedica-se ao estudo de temas educativos). - Este livro tem muito que ver com o slow parenting. Fala das consequências negativas do excesso de estimulação e das exigências que a sociedade actual coloca sobre as crianças. Ensina-nos a aplicar um modelo educativo bem mais saudável: o de «Educar na Curiosidade» (inspirado no método Montessori), que aproveita a curiosidade natural das crianças e a sua motivação interna. Fala ainda do respeito pelos ritmos de desenvolvimento, da importância de deixar as crianças serem crianças, do valor do silêncio (ao invés de TV´s continuamente ligadas)...

Ajude o Seu Filho a Ter Êxito de Bill Lucas (Educador) e Alistair Smith (Formador Motivacional) - Este é um livro fininho, mas com conteúdo e imagens interessantes. É indicado para pais de crianças do pré-escolar e do 1.º Ciclo do Ensino Básico. Vem recheado de sugestões de actividades e jogos, testes, conselhos e truques para ajudar as crianças a serem bem-sucedidas, especialmente ao nível da aprendizagem. Fala em como ajudá-las a alcançarem os seus sonhos, a estudarem eficazmente, a sentirem-se seguras e menos stressadas, a expressarem sentimentos, a conseguirem lidar com desafios, a ganharem motivação, a aprenderem regras e a controlar a raiva, etc., etc.

Na área da saúde:


Ioga para Corrigir a Visão de Kazuhiro Nakagawa (director do Vision Fitness Center em Tóquio) - Devo dizer que comprei este livro somente por dois motivos: 1.º) corrigi um problema de visão através de sessões de uma espécie de fisioterapia sugerida pelo oftalmologista; 2.º) ouvi um programa na TSF, justamente sobre exercícios para a visão, apontando alguns casos de sucesso. Como eu e a Letícia temos miopia, também não custa saber um pouco mais sobre o assunto... O autor baseia-se no facto da capacidade visual não depender só dos olhos, mas também do cérebro. Com base nisso, apresenta uma série de exercícios e técnicas para melhorar a visão e prevenir o desgaste ocular.

A Solução das Zonas Azuis - Comer e Viver como as Pessoas Mais Saudáveis do Mundo de Dan Buettner (investigador da National Geographic e fundador do Projecto Zonas Azuis) - O autor investigou os modos de vida nos locais do planeta onde existem populações com vidas incrivelmente longas e saudáveis, as chamadas «zonas azuis» (nota minha: também já o fez em relação aos lugares mais felizes do mundo, investigação divulgada no seu livro "Thrive: Finding Happiness The Blue Zones Way"). Neste livro, o autor apresenta sugestões para incorporamos na nossa rotina diária as dietas e os hábitos de vida saudáveis dos habitantes das «zonas azuis» (inclui receitas culinárias e dicas relativas ao estilo de vida). Muito interessante!

Na área da culinária saudável:


Chegar Novo a Velho - Receitas de Manuel Pinto Coelho (médico) e Camila Balbi (terapeuta da nutrição/health coach) - Para quem conhece o Chegar Novo a Velho, este livro é uma espécie de complemento do primeiro, com receitas baseadas no regime paleolítico e alcalino. Numa primeira parte o autor faz um enquadramento mais científico explicando como é possível ter mais saúde e longevidade e o papel dos alimentos na saúde. Na segunda parte, encontramos as receitas, com informações acerca dos benefícios de alguns dos ingredientes usados. As receitas estão divididas por: a) pequenos-almoços e snacks; b) sopa, condimento e salada; c) prato principal; d) para viagem e e) bebida. O que me desagradou, é o facto do livro não trazer índice...

Cozinha Saudável de Mafalda Pinto Leite (chef, terapeuta da nutrição/health coach) - Como já vem sendo habitual, a Mafalda destaca os benefícios de vários dos ingredientes usados nas receitas. Fala também dos utensílios necessários e da lista de ingredientes para construirmos uma despensa saudável. As receitas (com aspecto lindíssimo), estão organizadas por: a) bebidas; b) pequeno-almoço; c) snacks; d) saladas e sopas; e) pratos principais e f) sobremesas.

A Comida dos Miúdos Cá de Casa de Ágata Roquette (nutricionista) - Ainda não tinha nenhum livro desta autora, mas estou a adorar as receitas. Uma delícia! Enquanto nutricionista, explica-nos em que consiste uma alimentação saudável para crianças, quais as necessidades nutricionais de acordo com a idade, quais os alimentos a consumir e o que deve de ser evitado, e... como lidar com as esquisitices deles. Em termos de receitas, estão dividas assim: a) pequeno-almoço e lanche; b) lanches (inclui sugestões para as lancheiras escolares); c) snacks para petiscar; d) refeições principais e e) molhos caseiros.

Cozinha Vegetariana para Bebés e Crianças de Gabriela Oliveira (jornalista, vegetariana há quase 20 anos) - Tem uma introdução bastante detalhada sobre a alimentação vegetariana na infância (tipos de alimentos, fases de introdução dos mesmos, estratégias para provar e gostar, etc.). As receitas estão divididas da seguinte forma: a) purés e sopinhas de legumes; b) cremes de frutas e papas de cereais; c) pratos principais; d) acompanhamentos; e) compotas, manteigas e bolachas; f) bolos, gelados e gelatinas. Cada receita refere a idade para a qual está indicada, a duração da confecção da receita e o número de doses que faz.

Nas áreas da espiritualidade e meditação:


Provas da Vida Depois da Morte de Jeffrey Long (médico oncologista) e de Paul Perry (escritor) - Eu, a céptica, adorei este livro (falei dele aqui). Este fala de um dos maiores estudos a nível mundial sobre EQM's (experiências de quase morte) e respectivas conclusões: 9 provas de que a vida de alguma forma subsiste após a morte. Inclui relatos de quem passou por isso e os argumentos dos cépticos, contrapostos, com justificações para cada argumento.

Meditação para Pessoas Ocupadas de Osho (místico) - Este livro foi-me oferecido e, incrivelmente, ainda não o li (nem nunca li qualquer livro do Osho). Mas o conteúdo parece interessante... Fala sobre o stress e como lidar com ele, da ligação que existe entre o corpo e a mente. Inclui uma série de meditações diárias e meditações activas para encontrar a tranquilidade interior. Tenho de lê-lo brevemente!


Bíblia - Volume I de Frederico Lourenço (especialista de línguas e literaturas clássicas e professor na Universidade de Coimbra) - Ok, eu já tinha lido vários livros da bíblia, mas reparei que algumas passagens variam consoante a religião, ou até dentro da mesma religião, consoante a época. Daí que este volume, traduzido por alguém com intuito meramente académico, me parece mais isento. O melhor é que o autor faz o enquadramento históricos de cada livro, e explica os diversos versículos.

As Novas Seitas Cristãs e a Bíblia de Joaquim Carreira das Neves (sacerdote e professor de teologia na Universidade Católica Portuguesa) - Apesar do autor ter sido um sacerdote católico, também foi um estudioso das diversas religiões. Interessava-me saber o porquê de tantas interpretações diferentes da bíblia. O autor explica o surgimento destas religiões cristãs, quais as principais crenças, que, por sua vez, contrapõe, com uma série de argumentos baseados na bíblia.

Na área da ficção:


Fúria Divina de José Rodrigues dos Santos (jornalista e professor na Universidade Nova de Lisboa) - Digam o que disserem (porque as pessoas de sucesso têm sempre de levar com críticas) eu simplesmente adoro a escrita do JRS. É viciante e dá para desanuviar do stress do dia-a-dia. Neste livro repleto de mistério e aventura, percebemos como uma criança inocente e cheia de boas intenções se pode transformar no pior dos terroristas. Mais uma aventura do Tomás Noronha, cheio de enigmas por decifrar. 

Vaticanum, também de José Rodrigues dos Santos - Neste livro os terroristas raptam o papa e ameaçam decapitá-lo até à meia-noite. Na busca de pistas para evitar que o pior aconteça, Tomás Noronha vai descobrindo uma série de sujeiras em que o Vaticano (principalmente o Banco do Vaticano) tem estado envolvido. Bem... é incrível como uma instituição que se diz santa, está envolvida em tantos crimes e maldade. A sério que cheguei a pensar que isto era romanceado. Depois fui pesquisar em canais de notícias e tudo aquilo era verdade. Meu Deus!... Agora percebo muitas das atitudes do Papa Francisco.

Na área da história:


A Grande Conspiração de Robert Goodman (químico) - O livro é interessante. Fala dos Templários, dos illuminati, da Maçonaria, do FMI e do Vaticano (inclusive da irmã Lúcia). Aborda também algumas tragédias modernas: a guerra do Golfo, o atentado de Oklahoma, o 11 de Setembro, o ataque ao Afeganistão, o ataque terrorista de 11 de Março em Espanha, entre outros. Fala de muitas situações efectivamente documentadas. Mas depois... pelo meio aparecem puras especulações e isso desiludiu-me. 

Episódios da História de Portugal Que Não Aconteceram Bem Assim... de Ricardo Raimundo (historiador) - Uma leitura leve, ideal para desanuviar (e até nos divertirmos) ao serão. Fala de vários episódios históricos que temos como verdadeiros, mas que não passam de invenções. Entre outros fala do milagre das rosas, da morte de Martim Moniz entalado num portão, de D. Pedro ter mandado desenterrar a amada Inês, da padeira de Aljubarrota, do templo de Diana, do pinhal de Leiria, da descoberta do Brasil, de Salazar ter sido um homem casto e poupado... Pois, pois... muita imaginação à mistura.

Os 100 Grandes Erros da História de Bill Fawcett (historiador, antologista e editor) - Este livro fala de erros, distracções e disparates que alteraram o curso da história mundial. É igualmente cheio de curiosidades. Pena que contenha alguns erros (por exemplo o Pedro Álvares Cabral não descobriu o Brasil por acaso...). O autor separou os assuntos por épocas e fala de temas como: os Romanos, os Viquingues, os descobrimentos, as guerras napoleónicas, as guerras mundiais, a guerra do Iraque (mencionei só alguns, porque são 100 temas ao todo).

Nas áreas da BD e nostalgia:


Toda a Mafalda - Edição Comemorativa dos 50 anos de Quino (Autor de Banda Desenhada) - Talvez seja influência do nome 😉, mas a verdade é que eu adoro a Mafaldinha. E este livro é espectacular! É mesmo de coleccionador. Tem mesmo TODAS as tirinhas da Mafalda! E eu continuo a achar-lhes graça. Ainda tem o enquadramento histórico das tirinhas, a biografia do Quino, a descrição das personagens (só agora soube que a mãe da Mafalda se chama Raquel) e, no final, fala das publicações saídas em Portugal. É definitivamente... um livro fantástico! E também um calhamaço de 600 páginas em tamanho A4.

A Sebenta do Tempo de Mário Augusto (jornalista) - Ando a lê-lo de momento e é tão divertido fazê-lo. Recorda-me coisas que ainda existiam na minha infância e mostra-me outras anteriores: os livros que se usavam na escola, as brincadeiras e brinquedos, as revistas, as guloseimas, a música, os filmes... tem imensa informação e está cheio de fotos giras. 

Caderneta de Cromos de Nuno Markl (humorista) - Este livro é muito parecido com o anterior, até tem vários temas em comum. Não tem fotos, mas ilustrações. Mas tudo com muito sentido de humor. O autor a falar do Nesquik e do Suchard Express: "Miúdo que era homem bebia os achocolatados com tanto chocolate que aquilo já não era para beber. Era para comer." Dá umas boas horas de diversão!

««»»

É o primeiro post que faço deste género. E gostei de o escrever, porque os livros, ai os livros..., fazem-me tão feliz!

Fotos: Mafalda S.
.............................................................
"A Felicidade é o Caminho" também está aqui:
Facebook || Instagram

terça-feira, 27 de junho de 2017

Como manter a casa limpa e arrumada diariamente #5 - A rotina diária


Neste percurso para trazer boas energias à casa, um passo fundamental é destralhar. Depois disso, devemos organizar, de modo a que seja mais fácil manter a casa arrumada. Por último, ajuda bastante fazer um planeamento das tarefas domésticas.

Todos estes temas foram abordados em posts anteriores. Hoje vou falar da rotina diária.

Se fizermos um pouco todos os dias, é muito mais fácil manter as coisas sob controle. Viveremos num sítio que nos acalma a mente, ao invés de termos na casa uma fonte de stress. Ao fim do dia encontraremos um lugar acolhedor, onde os problemas podem ser deixados do lado de fora. Não teremos receio de visitas inesperadas, porque a casa estará limpa e arrumada diariamente. (Nota: claro que isto significa ter uma casa com vida, não uma casa perfeita com ar de museu).

Eis assim algumas sugestões para a rotina diária:

««»»

35. Levanta-te mais cedo - Acordar uma hora ou 30 minutos mais cedo, já ajuda a adiantar algumas tarefas. Podes por exemplo, limpar uma divisão ou adiantar o jantar. 

Claro que há pessoas mais matinais e outras mais nocturnas. As mais nocturnas podem optar por concentrar as tarefas quando chegam a casa e deitar-se mais tarde. No entanto, acordar cedo tem outra vantagem. Quando sais de casa com a casa organizada e já cumpriste algumas tarefas, o dia tende a correr melhor. O facto é que as manhãs influenciam o nosso humor, durante o resto do dia.

36. Deita-te mais cedo - Claro que se optares por te levantar mais cedo, convém deitares-te a horas decentes. 

Cria rotinas de sono para ti e para os teus filhos. Se se deitarem por volta da mesma hora diariamente, é mais fácil o corpo adaptar-se e sentir sono nessa altura.

37. Prepara o dia seguinte na noite anterior - De início pode parecer difícil, mas com o tempo, torna-se um hábito e farás tudo de forma mais rápida. Os preparativos podem envolver escolher a roupa e acessórios para o dia seguinte, preparar marmitas, programar a máquina de lavar roupa e/ou loiça para lavar durante a noite, etc.

O que acontece a seguir, é uma espécie de ciclo vicioso: se preparaste as coisas na noite anterior, terás uma manhã mais calma e tempo extra para adiantar tarefas. Em consequência, como já adiantaste tarefas pela manhã, terás os serões mais livres.  

Preparar o que se precisa na noite anterior,
permite adiantar tarefas pela manhã.

38. Inclui no teu «mapa de tarefas domésticas», o que tens de fazer diariamente - A ideia é incluíres uma espécie de checklist com as tarefas que tens mesmo de fazer todos os dias. Esta lista ajuda-nos a não esquecer do que necessitamos de fazer, para que a casa esteja em condições. Podes incluir coisas como: fazer as camas, preparar o jantar, deitar o lixo fora, etc. (Para saberes como fazer um «mapa de tarefas domésticas, espreita o post anterior).

39. Faz as camas logo pela manhã - Puxa as mantas para trás assim que te levantas. Depois vai fazer qualquer coisa (tomar duche ou comer alguma coisa, por ex.), para que a cama fique a arejar. De seguida, faz a cama.

Se saíres com a cama feita, a casa fica logo com um ar mais arrumado e só gastas uns 5 minutos.

40. Começa cedo, os preparativos para o jantar - Podes adiantar refeições ao fim-de-semana e congelar. Pessoalmente não aprecio fazer isto, opto por fazer o máximo todos os dias, ainda antes de todos acordarem. Faço a sopa. Para o segundo prato, posso deixar todos os ingredientes cortados, no frio, e depois é só misturá-los. Posso também fazer a salada, que irei temperar só na hora da refeição. 

Depende do tipo de refeição, mas há sempre qualquer coisa que podes adiantar.

Ir adiantando o jantar logo cedo,
trará mais disponibilidade ao serão.

41. Antes de saíres, deixa a casa minimamente organizada - Percorre as divisões da casa, uma a uma, e arruma o que estiver fora do lugar. 

É muito mais relaxante quando regressares a casa, encontrares tudo arrumado e com ar acolhedor.

42. Nas tarefas domésticas, recorre ao multitasking - Enquanto cozinhas, podes ir colocando a loiça na máquina e pondo a mesa. Enquanto esperas que um produto de limpeza actue, podes ir organizar uma gaveta. Enquanto arrumas as compras, podes aproveitar para arrumar/limpar o frigorífico ou verificar a validade dos produtos que tens na despensa. Há imensas possibilidades. 

A ideia é ires adiantando serviço, para te sobrar tempo para relaxar.

43. Define altura(s) no dia, para recolheres os objectos que estão fora do lugar - Bom seria após usar, guardar de imediato. Mas, principalmente quem tem crianças, sabe que há objectos que acabam espalhados pela casa. Sugiro assim que dês uma volta pela casa, divisão a divisão, para arrumares tudo o que está fora do sítio e te desfaças do que é tralha.

Para que isto seja mais eficaz, define diariamente as alturas em que o deves fazer. No meu caso, é após ter feito as camas e 15 minutos antes do jantar. O ideal seria envolveres outros elementos da família nesta actividade (para os motivar a arrumar logo após usar, pois dá menos trabalho).

É muito importante que isto seja feito diariamente! Se deixares acumular, corres o risco de, quando chegar a altura de limpar, perderes mais tempo a arrumar do que com a limpeza propriamente dita.

Arrumar o que está fora do sítio num momento específico do dia,
previne a acumulação e facilita as limpezas.

44. Limpa o fogão sempre que o usares -
É muito mais fácil limpar na hora, do que deixar acumular sujidade. Com o uso das altas temperaturas, a sujidade do fogão seca e torna-se muito mais difícil de limpar. Por isso, limpa na hora.

45. Arruma a cozinha antes de ires dormir - Tenta sempre fazer o seguinte: levantar a mesa, lavar a loiça ou pô-la na máquina para lavar durante a noite, passar um pano nas bancadas e outro no fogão ou forno (o que tiver sido utilizado) e limpar o chão. 

Eu sei, às vezes estamos tão cansados/as que não apetece nada... Mas se o fizermos, no dia seguinte é muito menos stressante acordar e saber que não termos de perder tempo nessas tarefas.

46. Separa os talheres por categorias dentro da máquina de lavar - Para facilitar esta tarefa, se puderes optar na altura da compra, escolhe uma máquina de lavar com prateleira para talheres (se bem que a organização por categorias, também é possível com cesto de talheres). A ideia é ires colocando na máquina colheres de sopa junto de colheres de sopa, garfos, junto de garfos, etc. Quando chegar a altura de os retirar da máquina, a arrumação será muito mais rápida.

Separar os objectos por categoria na máquina de lavar loiça,
facilita a sua posterior arrumação.

47 - Abrevia as tuas tarefas - Antes de realizares determinada tarefa, pensa em como poderás fazê-la perdendo menos tempo. Eis alguns exemplos: deixa o produto de limpeza actuar alguns minutos, para ser mais fácil retirar a sujidade; deixa a louça a secar no escorredor ao invés de limpares peça a peça; limpa só o que estiver sujo; opta por roupa fácil de passar a ferro, etc.

48 - Se a casa estava arrumada, deixa as coisas como as encontraste - Se todos os moradores de uma casa, cumprissem esta regra, a casa daria muito, mas muito menos trabalho. Para isto ser possível depois de usar, devemos de ir logo arrumar. Assim como quando sujamos, devemos limpar de imediato.

49 - Arruma e limpa diariamente - Estas tarefas devem mesmo de ser diárias. Por mais organizados que sejamos, há sempre algo que sujamos, há papéis que chegam pelo correio, há crianças que têm de ser crianças e acabam por desarrumar. Isto é ter uma casa com vida! Mas tal como sujamos e desarrumamos, é importante também arrumar, limpar e evitar a todo custo acumular (objectos e sujeira). 

Bastam algumas tarefas por dia, para que a tua casa se mantenha acolhedora... e se transforme naquele lugar, onde podes ser feliz.

Fazer um pouco todos os dias,
ajuda a transformar a casa num refúgio acolhedor.

No próximo post desta série falarei das «compras semanais». Do que pode ser feito nesta área, para contribuir para uma casa limpa e arrumada.

Fotos: 1.ª e 3.ª Alvhem; 2.ª StockSnap; 4.ª Interior Design and Decoration; 5.ª Mafalda S.; 6.ª Per Jansson
.............................................................
"A Felicidade é o Caminho" também está aqui:

segunda-feira, 26 de junho de 2017

Pensamento/Lema da semana #351


"As crianças aprendem muito mais a partir das nossas acções 
do que daquilo que lhes dizemos". 
Harlan Coben

Foto: Bessi
.............................................................
"A Felicidade é o Caminho" também está aqui:

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Pensamento/Lema da semana #350


"O que gera felicidade não é a quantidade de coisas que temos, 
mas o modo como desfrutamos da vida." 
Charles Spurgeon

Foto: Liu Hong Hezhengshi
.............................................................
"A Felicidade é o Caminho" também está aqui:

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Metáfora: "Encontro com São Pedro"

Hoje vou contar-te uma metáfora. Traduz o que se passa muitas vezes, neste mundo corrido. 

Agora peço-te. Abranda e reflecte um pouco sobre este texto:

"Um homem morreu e foi para o Céu. Às portas do Paraíso encontrou-se com São Pedro, que lhe deu as boas-vindas e lhe perguntou o quão desfrutara do tempo que passara na Terra. 

- Foi bom - respondeu o homem - mas, de certa forma, a vida acabou por não ser tão boa quanto tinha pensado que seria. 

- A sério? - indagou São Pedro. - Então porquê? Tinhas uma família que te amava, um emprego em que eras bom, uma boa casa e podias tirar férias todos os anos. Parece ser o tipo de vida com que a maior parte das pessoas seria perfeitamente feliz. 

- Mas foi exactamente por isso - retorquiu o homem. - Eu não era feliz. Tinha todas as características do sucesso e esforcei-me para ser uma boa pessoa, mas nada disso me fez realmente feliz e não sei porquê. A sério que não podia ter tentado mais. 

- Então esforçaste-te sempre para seres feliz? - perguntou São Pedro. 

- Sempre  - respondeu o homem. Mas nunca pareceu resultar. Lutei durante toda a minha vida para ser feliz e empenhava-me com todas as forças em tudo o que fazia. Esforcei-me tanto que nem tinha tempo para fazer as coisas que queria fazer.

- Que tipo de coisas? - perguntou São Pedro.

- Oh, só ter tempo para brincar mais com os meus filhos, ir passear nos dias soalheiros, tentar dedicar-me à pintura ou olaria ou escultura. Na verdade eram só coisitas parvas, por isso dediquei a minha energia às coisas importantes, como o trabalho e ser presidente de vários comités que valiam a pena.

- Mas aí é que está o problema - respondeu o santo, amavelmente. - Andavas tão ocupado a tentar concretizar as coisas importantes que achavas que te dariam felicidade que deixaste escapar por completo todas as pequenas coisas que realmente te fariam feliz. Se tivesses parado, descontraído e permitido que a felicidade te encontrasse, terias sido feliz, mas estavas sempre tão ocupado que a felicidade nunca conseguiu acompanhar-te." 


Em suma, 
é importante dedicarmos tempo às nossa obrigações,
lutando para ter o necessário para as nossas necessidades e da nossa família.
Mas no caminho da vida,
não devemos descurar de quem está ao nosso lado,
devemos dedicar-lhes tempo e atenção.
Também às coisas simples da vida,
aquelas que nos fazem felizes,
devemos dedicar tempo da nossa agenda.
Só assim a vida valerá a pena,
e aí, teremos chances de ser felizes.

Fonte da metáfora: AVERY, Matt; "50 Segredos das Pessoas Felizes"; Editora Self; Carcavelos; Janeiro de 2016.
Foto: Gewa
.............................................................
"A Felicidade é o Caminho" também está aqui:
Facebook || Instagram

quarta-feira, 14 de junho de 2017

Actividades "hygge" que faço com a minha filha


Há algum tempo que queria escrever sobre actividades, que faço actualmente com a minha filha. Já escrevi um post do género há uns anitos, mas entretanto algumas coisas mudaram. A princesa transformou-se numa linda menina e já tem 9 anos (como é possível o tempo passar tão rápido?...). O irmãozinho nasceu. Há muita coisa que fazemos a 4. Algumas actividades deixaram de fazer sentido, outras vieram em seu lugar. Mas o que importa é que continuamos cúmplices como sempre. Para lá dos legos, do jogo da bola, dos passeios com o irmão, ainda partilhamos muita coisa juntas.

Devo dizer que a filosofia hygge nos tem influenciado bastante. São momentos destes que trazem felicidade ao nosso dia-a-dia. hygge tem que ver com o apreciar das coisas simples: acender velas, beber uma caneca de chocolate quente, estar no quentinho enquanto uma tempestade cai lá fora, sentarmo-nos num recanto acolhedor a ler um bom livro... 

Partilho contigo o que costumamos fazer. Quem sabe se poderá servir de inspiração...

««»»


1 -  Jogos de tabuleiro

O nosso mais recente vício é o Cluedo. Mas também entram aqui o Monopoly, o Trivial Pursuit, as cartas...

Normalmente criamos a atmosfera ideal (o que inclui velas e o desligar de aparelhos electrónicos). Depois... é só desfrutar.
2 - Caça ao tesouro com enigmas

Desde bem pequenina que a Letícia gosta de caças ao tesouro. Posso dizer que é uma das suas actividades favoritas (principalmente na Páscoa, em que já se transformou numa tradição familiar).

Mas para manter o interesse, agora as pistas são enigmas. As soluções ou têm a ver com algo que ela aprendeu na escola ou ensinam-lhe algo de novo. Mas é sempre interessante!


3 - Passeios na Natureza

Esta actividade é normalmente realizada a quatro.

Escolhemos um lugar especial, para dar um passeio na Natureza. Pode ser num parque da cidade, num jardim ou até na floresta. O que interessa é respirar ar puro, observar os animais, sentir a beleza das flores, observar os detalhes das paisagens.

Podemo-nos sujar um pouco 😉, mas é super-relaxante!


4 - Jogo das coisas belas

Esta actividade fazemos normalmente na ida ou vinda da escola, ou após o jantar.

A ideia é dar uma volta de carro (ideal para dias mais frescos) e ir assinalando à vez, detalhes bonitos da paisagem.

Assim saboreamos mais a viagem e ela aprende a apreciar a beleza à sua volta. Está aliás comprovado que o «saborear» permite, de forma rápida, aumentar o optimismo e reduzir o stress e as emoções negativas.


5 - Culinária afectiva

Aqui o prazer não está só no degustar. O divertimento começa logo com os preparativos (o pôr dos aventais, o buscar dos ingredientes...) e continua com a confecção (a preparação da receita, a decoração...).

Tudo isto envolvido com muita conversa e risadas. Por vezes, com música de fundo.





6 - Refeições especiais

Não é tão difícil tornar as refeições especiais. Uma mesa decorada com amor, um empratamento bonito, comfort food, umas velas acesas...

Em algumas alturas do ano, dependendo do horário, também fazemos refeições ao nascer ou pôr-do-sol. É mágico!





7 - Destralhar e organizar

Para nós isto não é uma tarefa, é algo com que nos divertimos imenso.

O que estava feio, fica bonito. O que não interessa vai embora. Fica o que traz alegria. Pesquisamos ideias na Net, destralhamos e tentamos aplicar as ideias na prática. No fim, sabe sempre bem espreitar o resultado... várias vezes! 😂


8 - Projectos DIY

Esta é outra das actividades que mais agradam à minha filha.

Pesquisamos ideias na Net, mas por vezes, basta-nos a imaginação. E criamos de tudo um pouco: agendas, objectos decorativos, organizadores...

Presentemente já temos projectos em mente para as férias. Queremos redecorar algumas áreas do quarto dela. Depois partilhamos.


9 - Livro da família

Em tempos sugeri como actividade para  a felicidade, a criação de um «livro da família». A ideia é escolhermos um livro bonito, e nele registarmos coisas giras sobre a família: a árvore genealógica, os episódios e curiosidades da história da família (aquele tio famoso, como o avô João conheceu a avó...), as receitas de culinária tradicionais, os factos importantes, o porquê de se chamarem assim, etc. Podemos ilustrá-lo com fotografias ou outras coisas interessantes.

Comprámos este livro artesanal em Sintra. Achámos que era perfeito para a função. Em tempos também fiz um post sobre o que descobrimos na investigação das nossas raízes familiares.  

Devo dizer que é uma actividade muito, muito gira!

10 - Sessão de cinema

Por vezes vamos ao cinema. Outras vezes, assistimos ao filme em casa.

Tem é de envolver uma sala escurecida e muitas pipocas. Em casa ainda temos um extra: uma manta quentinha nas noites de Inverno. Nada mais hygge!






11 - Spa caseiro 

Aqui está uma actividade que nos acalma, do stress do dia-a-dia. Até o mais pequenino já gosta!

Preparamos o ambiente. Uma música calma ou sons da Natureza, especialmente do mar. Uma loção hidratante. Umas velas (atenção que quando se usam velas temos de arejar a divisão, para não ser prejudicial).

Depois marcamos no despertador cerca de 10 minutos. Cada um espalha loção hidratante nas costas do outro e faz-lhe uma massagem. Depois trocamos e quem recebeu massagem nas costas é quem agora faz - durante mais 10 minutos.

É super, super relaxante!

12 - Meditar ou praticar visualização criativa

Preparamos novamente uma atmosfera relaxante.

Quando o objectivo é meditar, pego no livro da foto, o "52 meditações para crianças" da Susana Guerreiro e escolho uma das meditações propostas.

Já na visualização criativa, fechamos os olhos e vamos descrevendo imagens e as sensações de coisas boas, com o máximo detalhe. Descrevemos experiências positivas que vivemos (o que aconteceu de bom, como nos sentíamos), lugares lindos por onde passámos (incluindo os cheiros, os sons, as imagens), passeios que desejamos fazer, sonhos que queremos alcançar, etc. 

13 - Ler embrulhadas numa mantinha ou na cama

Já não lhe conto histórias. Agora lemos lado a lado. Sempre antes de dormir, quando o pequenino já dorme e o pai se entretém com o seu hobby.

Por vezes vamos para o nosso futuro hyggekrog (um lugar acolhedor, onde temos uns cadeirões confortáveis, umas mantinhas e a melhor vista da casa). Mas, por norma, lemos na caminha dela.

É super calmante, antes de dormir.


14 - Demonstrar gratidão

Antes de deitar, cada uma de nós fala de três coisas boas que nos aconteceram, pelas quais nos sentimos gratas. É uma boa forma de fortalecermos o sentimento de gratidão.

Antes já o fazíamos, mas alterámos um pouco as «regras». Já não o fazemos todos os dias, porque acabávamos por nos habituar e não fazia o efeito desejado (trazer mais felicidade à nossa vida). Assim, fazêmo-lo... quando nos apetece. Também já não falamos só do que aconteceu naquele dia específico. Se nos apetece recordar as últimas férias... Porque não?

É algo muito hygge. Traz-nos emoções positivas, mesmo antes de dormir.


Podes estar a perguntar-te: mas como terei tempo para estas actividades?

Depende da actividade. No nosso caso, algumas realizamos no caminho da escola, outras ao fim-de-semana, nas férias ou quando o Luquinhas dorme. Algumas envolvem a família toda ao serão (em vez de assistirmos TV ou de navegarmos na Net, optamos por estas actividades), outras são partilhadas só entre mim e a Letícia, quando estamos sozinhas (o pequenino já dorme e o pai está no seu hobby).

Não é tão difícil quanto parece. Por vezes é mesmo uma questão de escolhas. E os miúdos acabam por se divertir bastante (vá, e nós também).

Fotos: 1.ª Jill111; restantes - Mafalda S.
.............................................................
"A Felicidade é o Caminho" também está aqui:
Facebook || Instagram

segunda-feira, 12 de junho de 2017

Pensamento/Lema da semana #349


"Felicidade começa quando tomamos a decisão de sermos felizes.
Este é o primeiro passo que devemos dar
para podermos desenhar com sabedoria
o nosso próprio caminho."
Frei  Pedro Cesário Palma

Foto: Katerina Knizakova
.............................................................
"A Felicidade é o Caminho" também está aqui:

quinta-feira, 8 de junho de 2017

Tulip, um bloco de notas ao estilo hygge


Sentada numa cadeira de madeira, à luz do pôr-do-sol. Ao lado, uma bebida quente - sabor a café, com um toque de caramelo. Uma brisa amena tocava-me o rosto, enquanto abria aquele pacote bonito... 

Lá dentro estava o bloco de notas Tulip, enviado pela Filipa. Feito por ela. Com muito amor e bem ao estilo hygge. Tenho de dizer que adorei! É um bloco que realmente nos inspira a parar e a reparar nas coisas simples da vida. É hygge sem dúvida alguma.


O bloco está dividido em 4 partes essenciais:
  • To do list - para não nos esquecermos das tarefas importantes;
  • Free Writing - para escrevermos o que nos vai no pensamento;
  • Special Words - para registarmos as coisas que nos fazem sorrir, sonhar, ser felizes...;
  • Quotes - um conjunto de frases simples e inspiradoras, para animarem os nossos dias.


Tem imensas folhas em branco para escrevermos o que nos vai na alma. Aquilo que o bloco pode trazer de positivo, segundo a Filipa, é o simples facto de permitir às pessoas "abrandarem o ritmo frenético do dia-a-dia para registarem o que realmente lhes traz felicidade e assim darem importância às coisas simples da vida que muitas vezes passam despercebidas porque andamos sempre a correr. Ao escrevermos os momentos que nos trazem felicidade, os nossos sonhos, o que motiva os nossos sorrisos é uma forma de tornar o nosso dia mais feliz".


E a verdade é que por vezes precisamos de uma ajudinha. Este livrinho, faz-nos lembrar que devemos dar valor ao que temos por garantido.  Que temos tanta coisa boa à nossa volta, pelas quais nos podemos sentir gratos.


Algo que me também me agradou é o facto de ser muito prático de usar. Com tamanho A6, são perfeitos para nos acompanharem em qualquer lugar, pois cabem facilmente nas nossas bolsas.


Perguntei à Filipa de onde surgiu a inspiração para criar o bloco de notas (sim, eu gosto de saber a história por detrás das coisas).

Ela contou-me então o seguinte: "Tudo começou quando eu ofereci à minha cunhada 'O Livro do Hygge - O segredo dinamarquês para ser feliz' [eu própria já falei desse livro aqui]. Ela estava numa fase em que precisava de um miminho e pareceu-me oportuno oferecer-lhe este livro. Depois comecei a pensar: porque não fazer um bloco para que ela possa registar os momentos que a fazem feliz de modo a que, quando estiver triste, consiga recordar aquilo que realmente importa? E assim foi. Fiz-lhe o bloco e ela adorou e disse porque não fazes o mesmo para outras pessoas? Eu pensei: se consegui fazer alguém feliz, porque não tentar o mesmo com os outros?".


E assim surgiu este bloco lindíssimo...


... cheio de imagens e palavras inspiradoras.


Para mais informações, ou se quiseres encomendar o teu próprio bloco Tulip, contacta a Filipa pelo seguinte e-mail: tulip@outlook.pt

Quanto a mim, resta-me agradecer: "Obrigada Filipa! Adorei o teu trabalho!".

Voltando àquele dia. Enquanto saboreava a bebida de café e caramelo, escrevi as minhas primeiras palavras no bloco Tulip. Falavam de gratidão e creio que do pôr-do-sol.

Fotos: Mafalda S.
.............................................................
"A Felicidade é o Caminho" também está aqui:
Related Posts with Thumbnails